DIABETES E LINHAÇA
O diabetes é uma doença que provoca o aumento da quantidade de açúcar no sangue, por falta de insulina.
Tipos de diabetes:
- Diabetes mellitus tipo 1 – resulta na destruição das células do pâncreas que produzem insulina, então o corpo não produz insulina alguma, sendo necessária a aplicação diária de insulina na pessoa. É mais comum em crianças, adolescentes e adultos jovens.
- Diabetes mellitus tipo 2 – ocorre a produção insuficiente de insulina pelo pâncreas ou o organismo se torna incapaz de utilizar de forma eficiente a insulina produzida. É mais comum em pessoas com mais de 40 anos, acima do  peso, sedentárias, sem hábitos saudáveis de alimentação e que sejam geneticamente susceptíveis. Representa cerca de 90% dos casos de diabetes.
- Diabetes mellitus gestacional – é caracterizada por aumento da glicose no sangue, que é reconhecida pela primeira vez na gravidez.
- Diabetes insipidus – é caracterizada pela sede intensa e excreção de grandes quantidades de urina muito diluída.
A insulina é o hormônio que realiza o transporte da glicose no sangue até as células, para ser usada como fonte de energia para o nosso corpo. Isso significa que mesmo sendo diabética, a pessoa necessita de glicose para ter energia para realizar as suas atividades vitais, só que deve ingeri-la de forma diferente, sob a forma de alimentos que contenham fibras.
Para evitar que o nível de glicose suba rapidamente depois da ingestão de um alimento, o diabético deve ingerir alimentos ricos em fibras, tais como frutas, legumes, cereais integrais, pães integrais, arroz integral e outros.
Se o diabético ingerir açúcares refinados, estes fornecem calorias vazias e de imediato aproveitamento pelo organismo, elevando rapidamente a taxa de glicose no sangue, enquanto que os alimentos ricos em fibras produzem atraso da absorção de nutrientes como a glicose (promove menor elevação da taxa de glicose no sangue, importante no tratamento do diabetes).
As fibras proporcionam atraso do esvaziamento do estômago (produz saciedade, importante no tratamento da obesidade).
Outros efeitos benéficos das fibras são aumento da sensibilidade do músculo à insulina, redução da pressão arterial e alívio da prisão de ventre.
A linhaça é rica também em lignanas (fitoestrógenos), que segundo pesquisas científicas, auxiliam na regulação da produção de insulina, o que auxiliará na regulação da taxa de glicose no sangue.
O Ômega-3 presente na linhaça em grande quantidade, auxilia na regulação do colesterol e triglicerídios, problemas que muitas vezes afetam também o diabético.
Sobre linhaça e diabetes, veja-se estudo feito por Ana Lins de Carvalho Cunha Sales:
“Quanto às fibras, a fibra solúvel destaca-se no controle de dislipidemias e da glicemia por reduzir a absorção intestinal de colesterol e carboidratos (LINDSTRÖM et al, 2006). A atuação da fibra solúvel na resposta glicêmica resulta do aumento da resposta da colecistoquinina durante a refeição, o que provoca o retardo do esvaziamento gástrico que associado à viscosidade que as fibras conferem ao bolo alimentar diminui a superfície de contato com a mucosa do intestino delgado, levando a uma menor absorção dos nutrientes (SACHS, 2006). Outros mecanismos que podem explicar o efeito da fibra solúvel na redução dos níveis séricos de glicose e insulina incluem a complexação da glicose com a fibra solúvel, reduzindo sua absorção, bem como a inibição da alfa-amilase diminuindo a digestão do amido (SACHS, 2006; LLANO; FERRER, 2006; WURSCH; PI-SUNYER, 1987).” CUNHA SALES, Ana Lina de Carvalho – Efeito de suplementação com aveia, linhaça, gergelim, semente de girassol e jatobá sobre parâmetros relacionados ao diabetes mellitus em ratos – Programa de Pós-graduação em alimentos e nutrição – Centro de Ciências da Saúde – Universidade Federal do Piauí – Teresina – PI,  2011.
Por isso tudo é que a linhaça é benéfica  para os diabéticos, pois embora tenha carboidratos, é rica em fibras (solúveis e insolúveis), as quais são carboidratos complexos.